Impostos

Escalões IRS 2024: o que vai mudar para si?

3 min

Há mudanças nos escalões do IRS no próximo ano. Desde a atualização dos limites dos escalões à descida das taxas marginais, fique a par do que vai mudar e descubra de que forma lhe tocará na carteira.

O novo ano traz algumas alterações no IRS. A primeira, é a atualização dos limites dos escalões em 3%, com o objetivo de combater a perda do poder de compra devido à inflação, que, de acordo com as previsões governamentais, deve balizar-se nos 2,9% em 2024. A segunda é a redução das taxas marginais, para que os contribuintes passem a pagar menos IRS.

Conheça as principais mudanças para 2024 apresentadas pelo Governo e saiba com o que contar.

Atualizações nos escalões de IRS

Em 2024, os ajustes nos escalões de IRS vão abranger os seguintes rendimentos coletáveis:

  • 1.º escalão: até 7 703 euros;
  • 2.º escalão: mais de 7.703 euros até 11.623 euros;
  • 3.º escalão: mais de 11.623 euros até 16.472 euros;
  • 4.º escalão: mais de 16.472 euros até 21.321 euros;
  • 5.º escalão: Mais de 20.321 euros até 27.146 euros;
  • 6.º escalão: Mais de 27.146 euros até 39.791 euros;
  • 7.º escalão: Mais de 39.791 euros até 51.997 euros;
  • 8.º escalão: Mais de 51.997 euros até 81.199 euros;
  • 9.º escalão: Mais de 81.199 euros.

Redução nas taxas marginais até ao quinto escalão

Relativamente às taxas marginais, também há mexidas a considerar. A taxa marginal é uma taxa de imposto que incide sobre um aumento ligeiro do rendimento anual do contribuinte.

O que está previsto para 2024 é uma redução deste imposto até ao quinto escalão:

  • 1,2% no primeiro escalão;
  • 3% segundo escalão;
  • 3,5% no terceiro escalão;
  • 2,5% no quarto escalão;
  • 2,25% no quinto escalão.
Leia mais  Precisa de um empréstimo para obras?

Esta redução, ainda que só contemple cinco dos nove escalões, vai permitir que todos contribuintes paguem menos de IRS devido à progressividade do imposto.

Esta medida vai ter mais impacto nos contribuintes posicionados no 4º e no 5º escalões, que correspondem a salários brutos mensais entre 1.500 e 2.000 euros.

Os trabalhadores que recebam o salário mínimo nacional ficam isentos de pagar IRS, uma vez que o mínimo de existência vai subir para os 11.480 euros.

Tenha em conta que estas alterações só se farão sentir a partir de 2025, altura em que as declarações com os rendimentos de 2024 serão entregues.

O impacto das alterações nos escalões de IRS

De acordo com o que está previsto para 2024 em matéria de Orçamento de Estado, o Governo espera que estas atualizações sejam financeiramente benéficas para os portugueses. Assim, a título de exemplo, espera-se que:

– Um trabalhador sem dependentes com um salário até 1.300 euros, receba mais 334 euros por ano;

– Um casal com um filho, cuja renda conjunta seja de 2.000 euros por mês (1.000 euros para cada um), ganhe mais 361 euros/casal;

– Um casal sem filhos, que ganhe 3.000 euros brutos por mês (1.500 euros para cada um), consiga economizar 874 euros.