Seguros

10 dicas para poupar nos seguros

8 min
Rapariga de camisola amarelo torrado vê no computador portátil como pode poupar nos seguros

Alguns são obrigatórios, outros têm um peso significativo no orçamento mensal e, por isso, qualquer ideia para poupar nos seguros é útil. Ainda assim, há que ter atenção, para que o corte nos custos não se transforme em menos proteção para si e para os seus bens. 

Os seguros da casa, do carro e de saúde são despesas inevitáveis, mas é possível pagar menos e conseguir alguma poupança. Conheça as dicas para poupar e descubra pequenos segredos que ajudam a reduzir os gastos com alguns tipos de seguros.

Como poupar em todos os seguros

Independentemente do seguro em causa, há algumas dicas a ter em conta na altura de escolher. Por vezes, a falta de tempo, o desconhecimento e até alguma preguiça levam a que se gaste mais do que o necessário.

Afinal, há várias formas de conseguir poupar dezenas ou centenas de euros nos  seguros e aliviar  o orçamento familiar. E é mais simples do que parece.

1. Escolher o seguro que precisa

Avaliar bem as suas necessidades evita que escolha seguros redundantes ou que têm mais coberturas do que precisa.

Antes de contratar o seguro pense nos riscos que quer segurar e concentre-se nas opções que lhe oferecem o que é mesmo importante e necessário. Garanta as coberturas essenciais e obrigatórias e avalie a necessidade de ter outras. 

2. Não duplicar coberturas

Conhece todas as coberturas de todos os seus seguros? Provavelmente tem coberturas duplicadas, ou seja, seguros diferentes que cobrem o mesmo risco, aumentando os custos. Como as indemnizações não são cumulativas – isto é, não pode receber compensações de ambos – está, literalmente, a perder dinheiro. 

Esta duplicação pode ocorrer nos seguros da casa – por exemplo, ter um multirriscos com coberturas muito semelhantes ao de recheio – ou quando se tem mais do que um seguro de saúde.

Se vai viajar e pretende fazer um seguro de viagem, verifique se o seu cartão de crédito tem esta cobertura. Assim evita uma despesa adicional e uma duplicação de cobertura.

3. Juntar seguros

Ao reunir  todos os seguros na mesma seguradora poderá conseguir descontos significativos e melhores condições do que se contratar a diferentes empresas.

Informe-se junto da seguradora ou do seu mediador, peça propostas e compare, para perceber se faz sentido consolidar seguros.

Juntar seguros também pode significar contratar um seguro mais completo em vez de ter um para cada cobertura. Por exemplo, no caso dos seguros de casa, geralmente compensa ter um seguro multirriscos que cubra o risco de incêndio, mas também danos de infiltrações e que proteja o recheio. 

4. Transferir os seguros

Se entende que está a pagar muito pelos seus seguros, não estará na altura de mudar? Escolher outra seguradora significa, por vezes, pagar menos pelas mesmas coberturas, poupando muito dinheiro.

Para quem tem créditos habitação e fez os seguros de vida e multirriscos sugerido pelo banco, esta opção nem sempre é vantajosa. Isto porque os bancos oferecem geralmente spreads mais baixos aos clientes que optam pelas opções que sugerem. Ainda assim, vale a pena informar-se sobre as ofertas de outras seguradoras ou tentar renegociar com o seu banco. 

5. Renegociar os seguros

Tem o mesmo seguro há muitos anos? Talvez esteja a gastar mais do que devia, apenas porque não se dispôs a renegociar os seus seguros. É importante estar a par das ofertas que o mercado apresenta e perceber se são melhores do que o contrato que tem.

Assim, antes de renovar as suas apólices, faça uma prospeção – ou converse com o seu mediador – para perceber se vale a pena renovar o seguro que tem ou fazer noutra empresa. 

6. Ter atenção às franquias

Ao analisar os preços dos seguros, há dois pontos importantes para poder comparar: as coberturas – isto é, os riscos que o seguro cobre – e as franquias. A franquia é o valor até ao qual a seguradora não assume o prejuízo.

Preços mais baixos podem significar franquias mais elevadas. Ou seja, só pode acionar o seguro e receber a indemnização se o dano ultrapassar um determinado valor. Caso contrário, terá de pagar o prejuízo. Este ponto é extremamente importante nos seguros de casa e no seguro automóvel. 

7. Recorrer a um mediador

Se não tem tempo para pedir propostas a várias seguradoras ou se não tem a certeza quanto às coberturas mais indicadas para o seu caso, recorrer a um mediador pode ajudar. Estes profissionais, além de um atendimento personalizado, conseguem apresentar propostas mais vantajosas para o tipo de seguro pretendido.

Já os seguros low cost são geralmente contratados à distância. Podem ter preços competitivos, mas tudo vai depender das coberturas que pretender. Por isso, certifique-se que a opção proposta vai realmente ao encontro das suas necessidades.

8. Aproveitar as promoções

É importante prestar  atenção aos anúncios publicitários e às comunicações que recebe da sua seguradora, para perceber se existem descontos que possa aproveitar. As promoções são uma boa forma de poupar nos seguros, mas como são campanhas limitadas no tempo, é preciso estar atento para não perder oportunidades.

Outra forma de obter descontos em seguros é informar-se sobre eventuais parcerias associadas, por exemplo, com  cartões, lojas ou  clubes desportivos.

9. Pagar o prémio anualmente

A forma como se paga o prémio do seguro também ajuda a poupar algum dinheiro. Muitas seguradoras dão descontos aos clientes que optam pelo pagamento anual, em vez dos pagamentos semestrais, trimestrais ou mensais.

A diferença entre pagar tudo de uma vez ou de forma faseada depende da seguradora, do valor do prémio e do tipo de seguro, mas em alguns casos significa uma poupança de algumas dezenas de euros. O melhor será informar-se das condições e, caso compense e se o seu orçamento permitir, escolher a opção anual. 

Leia mais  Voo atrasado ou cancelado? Conheça os seus direitos

10. Escolher o método de pagamento

Aderir ao débito direto para pagar os seguros também ajuda a poupar neste tipo de despesa. Muitas seguradoras baixam o valor do prémio se os clientes optarem por esta modalidade de pagamento.

Além de poupar dinheiro, evita esquecimentos – o que no caso dos seguros implica perder a proteção – e escolhe uma solução mais amiga do ambiente. Informe-se junto da sua seguradora para perceber quanto pode poupar. 

Poupar nos seguros da casa

É possível poupar nos seguros da casa, mesmo nos que estão associados ao crédito habitação, como é o caso do seguro de incêndio (obrigatório) e do seguro de vida que, embora seja facultativo, é bastante comum.

Veja algumas sugestões para economizar nestes produtos.

Seguro de incêndio

O seguro de incêndio é obrigatório para os proprietários de apartamentos, de forma a cobrir o risco de fogo na sua fração e nas partes comuns do edifício, como escadas, telhado, elevador ou garagem. Pode incluir outras coberturas, como danos causados por explosões ou por queda de raio. 

Este seguro pode ser feito pelo proprietário ou pelo administrador do condomínio. Assim, a primeira forma de poupar é perceber se compensa aderir ao que é feito pela administração ou se deve escolher outra opção mais em conta.

Para poupar no seguro de incêndio também deve atualizar o capital seguro, ou seja, o valor máximo que a sua seguradora pagará em caso de sinistro. Cada condómino deverá atualizar o capital seguro para a sua fração e optar por dois tipos de atualização automática:

  • a atualização convencionada significa que capital seguro é atualizado todos os anos de acordo com uma percentagem que definiu (por exemplo, uma atualização anual de 5%)
  • na atualização indexada o capital seguro é atualizado anualmente de acordo com as variações dos índices IE (edifícios), IRH (recheio) ou IRHE (recheio e edifício), divulgados pela Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF).

Seguro multirriscos habitação

Não é um seguro obrigatório, mas surge muitas vezes como alternativa ao seguro de incêndio, já que inclui esta cobertura e outras adicionais, como inundações, tempestades, furto ou roubo.

Ou seja, é mais abrangente do que o seguro de incêndio, incluindo coberturas que protegem o recheio e preveem a responsabilidade civil do segurado e agregado familiar, caso seja necessário indemnizar terceiros.

Assim, optar pelo multirriscos em vez de ter vários seguros é, só por si, uma poupança. Para conseguir poupar ainda mais, avalie as coberturas incluídas e as que são realmente necessárias para a sua situação particular.

Se optar por um seguro de recheio, é importante garantir que este está atualizado em função dos bens que tem em casa. Verifique se não existe duplicação de coberturas entre os seguros de recheio e multirriscos.

Seguro de vida

Se tiver um seguro de vida associado ao crédito habitação, é importante verificar se  a poupança não significa menos proteção. É que este tipo de seguro tem dois tipos de cobertura e, embora uma seja mais barata, é menos abrangente.

A cobertura por Invalidez Absoluta e Definitiva (IAD) só pode ser acionada em caso de acidente ou doença que provoque uma incapacidade superior a 80% (a percentagem varia de acordo com as seguradoras, mas este é o valor médio). Ou seja, só ficando praticamente numa situação de dependência de terceiros é que é possível acionar o seguro e ter a casa paga.

A cobertura por Invalidez Total e Permanente (ITP) é mais abrangente, podendo ser acionada em situações em que o grau de incapacidade é mais baixo (geralmente um pouco acima dos 60%).

Assim, ao comparar preços, é importante comparar também o tipo de cobertura, para se perceber se está em causa o mesmo nível de proteção. 

Poupar no seguro automóvel

No caso do seguro automóvel, a questão das coberturas é essencial para poupar dinheiro. O seguro de responsabilidade civil automóvel é obrigatório para todos os carros, mesmo não estando em circulação.

Se entender que esta cobertura é suficiente, conseguirá um seguro mais barato. Caso contrário, tenha atenção às coberturas adicionais, garantindo que não está a pagar por algo que não precisa. À medida que o seu carro vai envelhecendo e desvalorizando, também pode abdicar de algumas coberturas, de forma a poupar algum dinheiro.

Conduzir com prudência  também ajuda a poupar, porque se tiver um acidente o seguro vai agravar-se .

Poupar no seguro de saúde

A escolha das coberturas é uma dica importante para poupar em seguros de saúde. Tal como noutros tipos de seguro, é muito importante escolher só o que precisar, evitando gastar dinheiro com coberturas desnecessárias (por exemplo, de parto, se não pretende ter filhos).

Se já tem um seguro de saúde e vai fazer outro só para estomatologia, pondere se não compensa ter apenas um com as duas coberturas. É uma questão de comparar propostas e perceber o que permite poupar mais.

Atualize as coberturas em função do seu estilo de vida e da sua idade, garantindo que estão de acordo com o que precisa em determinado momento. Deduzir as despesas com seguro de saúde no IRS, embora não seja uma poupança, é uma forma de pagar menos imposto e de “recuperar” uma parte do que gastou. Aproveite este benefício. 

O que achou?