Direitos e Deveres

Rendimento social de inserção: sabe se tem direito?

5 min
Mãe e filha abraçadas vão receber o apoio do Rendimento Social de Inserção

O rendimento social de inserção é um apoio destinado a proteger pessoas em situação de pobreza extrema. Neste artigo explicamos-lhe como funciona.

Inicialmente designado como Rendimento Mínimo Garantido, este subsídio foi criado em 1996 com o objetivo de ajudar as pessoas e famílias mais desprotegidas, sem acesso a rendimentos ou apoios sociais que lhes permitissem viver com dignidade. A lei consagrava “a cada cidadão residente em Portugal o direito a um nível mínimo de subsistência, desde que se encontre numa situação de exclusão social e esteja ativamente disponível para seguir um caminho de inserção social”.

O rendimento social de inserção (RSI), como é conhecido desde 2003, tem vindo a apoiar milhares de famílias e cidadãos. No entanto, ainda há muitas dúvidas quanto a este apoio. Saiba o que é o RSI, quem tem direito, quais as condições e que valores são pagos. 

O que é o rendimento social de inserção?

O RSI é um “apoio destinado a proteger as pessoas que se encontrem em situação de pobreza extrema”. É constituído por uma prestação em dinheiro, que assegura a satisfação das necessidades mínimas dos beneficiários. Além disso, engloba um programa de inserção social que  inclui um contrato, estabelecido de acordo com as características e condições do beneficiário, que tem como objetivo a progressiva inserção social, laboral e comunitária. Ou seja, tal como no subsídio de desemprego, pretende-se que as pessoas continuem ativamente a procurar emprego e a frequentar ações de qualificação. 

Quem tem direito ao RSI?

Apesar de haver um só requerente, o RSI pode ser atribuído tanto a pessoas que vivem sozinhas, como a agregados familiares. No caso das famílias, são considerados os rendimentos de todos os membros do agregado para o cálculo da prestação social.

Além dos cidadãos e famílias que precisam de apoio na integração social e profissional, o rendimento social de inserção também pode ser atribuído aos cuidadores informais que prestam apoio indispensável a pessoas do agregado familiar.

Como é calculado e quanto se recebe?

O valor de referência do RSI foi atualizado e, em 2024, passa a ser de 237,25 euros. Numa situação em que não haja outros rendimentos, aplica-se a tabela com os totais definidos por lei e o apoio pago é:

  • 237,25 euros (100%) para o requerente de RSI;
  • 166,08 euros (70%) por cada elemento do agregado maior de idade;
  • 118,63 euros (50%) por cada menor de idade da família.

Quando existem outros rendimentos, estes não podem ser superiores ao subsídio a atribuir, sendo descontado esse valor ao RSI. Ou seja, os beneficiários que vivem sozinhos não podem ter rendimentos mensais iguais ou superiores a 237,25 euros. No caso dos agregados familiares, a soma dos rendimentos mensais de todos os membros também não pode ser igual ou superar o valor máximo do RSI do agregado.

Por exemplo, um casal sem filhos elegível para o apoio, se tiver 200 euros de rendimentos de trabalho, em vez de receber 403,33 euros (237,25 euros + 166,08 euros), vai receber 203,33 euros (403,33 euros – 200 euros).

Que tipo de rendimentos são considerados no cálculo do RSI?

Para calcular o valor do rendimento social de inserção, são considerados os seguintes tipos de rendimentos:

  • Rendimentos de trabalho dependente, exceto aqueles ganhos por jovens que trabalham durante o período de férias escolares;
  • Rendimentos de trabalho independente;
  • Rendimentos de capitais (depósitos bancários, ações, certificados de aforro e outros ativos financeiros);
  • Rendimentos prediais, ou seja, referentes a imóveis;
  • Pensões, incluindo as de alimentos;
  • Prestações sociais;
  • Subsídios recebidos pelo exercício de atividades ocupacionais de interesse social relacionadas com programas de emprego;
  • Subsídios de rendas ou outros apoios à habitação.

Quais são as condições de acesso ao RSI?

Para poderem receber o rendimento social de inserção, o titular ou o agregado familiar não podem ter património mobiliário (depósitos bancários, ações, certificados de aforro e outros ativos financeiros) de valor total superior a 30.555,60 euros, o que corresponde a 60 vezes o valor do indexante de apoios sociais. Além disso, há outras regras a cumprir:

  • Residir de forma legal em Portugal;
  • Estar em situação de pobreza extrema;
  • Assumir e cumprir o contrato de inserção, nomeadamente através da disponibilidade para trabalhar e participar em formações;
  • Ter 18 anos ou mais, exceto grávidas, pessoas casadas ou em união de facto há mais de 2 anos, ou ainda quem, com menos de 18 anos, tiver outros menores a cargo ou deficientes. Neste caso, devem ter rendimentos próprios superiores a 166,08 euros (70% do RSI);
  • Estar inscrito no Centro de Emprego, se estiver desempregado e tiver condições para trabalhar. Nos casos em que o requerente está desempregado por iniciativa própria, só pode pedir o RSI ao fim de um ano;
  • Autorizar a Segurança Social a aceder a todas as informações sócio-económicas;
  • Não estar em prisão preventiva ou a cumprir pena (pode pedir o rendimento social de inserção 45 dias antes da libertação);
  • Não estar institucionalizado em unidades de internamento financiadas pelo Estado (pode pedir o RSI 45 dias antes da data prevista para a alta);
  • Não estar a receber apoios sociais relacionados com os estados de asilo ou de refugiado.
Leia mais  Sabe se está numa situação de insuficiência económica?

Quais são as obrigações dos beneficiários?

Além do dever de fornecer todos os documentos e prestar as informações corretas, os beneficiários do RSI são obrigados a participar nas reuniões do Núcleo Local de Inserção, onde é definido e assinado o contrato de inserção. Têm, também, o dever de avisar a Segurança Social, no prazo de dez dias úteis, sempre que haja alteração de morada ou alguma alteração que possa suspender ou cessar o direito ao rendimento.

Como e onde se pede o rendimento social de inserção?

O pedido do RSI pode ser feito presencialmente, num balcão da Segurança Social, ou no portal e-Clic, depois de se fazer a autenticação no site da Segurança Social Direta. É necessário preencher os formulários de requerimento e juntar toda a documentação necessária:

  • Documento de identificação do requerente e de todos os membros do agregado familiar;
  • Fotocópias dos recibos das remunerações auferidas no mês anterior, caso o requerente receba rendimentos regulares;
  • Fotocópias dos recibos das remunerações auferidas nos três meses anteriores, caso os rendimentos sejam variáveis;
  • Fotocópias dos documentos comprovativos de residência legal em Portugal, quando o requerente não é cidadão português.

Além destes documentos, pode ainda ser necessário apresentar documentação específica para determinadas situações, como gravidez, inaptidão para trabalhar ou deficiência.

Assim que o RSI é confirmado, passa a ser pago – por vale postal ou transferência bancária – durante 12 meses. Pode ser renovado anualmente, começando esse processo um mês antes do último pagamento para verificar que se mantêm as condições necessárias. Depois de atribuída a prestação, o beneficiário tem 45 dias para celebrar o contrato de inserção.

O rendimento social de inserção pode ser acumulado com outros subsídios?

Sim. O RSI pode ser acumulado com os seguintes apoios sociais:

  • Pensão de velhice e de viuvez;
  • Pensão de orfandade;
  • Complemento por dependência;
  • Complemento solidário para idosos;
  • Bonificação por deficiência;
  • Subsídio por assistência de terceira pessoa;
  • Subsídio por frequência de estabelecimento de educação especial;
  • Abono de família pré-natal e para crianças e jovens;
  • Subsídios de parentalidade e adoção;
  • Subsídio de doença;
  • Subsídio de desemprego;
  • Prestação social para a inclusão.

Se acha que pode ter direito ao rendimento faça bem as contas, junte todos os documentos necessários e faça o pedido à Segurança Social.

O que achou deste artigo?