Poupar

Como lidar com despesas inesperadas

4 min
Mulher com as mãos no rosto encostada à máquina de lavar porque não sabe como lidar com despesas inesperadas

Por vezes acontecem imprevistos que fazem com que o orçamento familiar se desequilibre. Saiba como lidar com as despesas inesperadas.

Uma avaria no carro, um eletrodoméstico que precisa de ser trocado ou um problema de saúde são situações inesperadas de que ninguém está livre. E, apesar de não ser possível prever estes acontecimentos, é importante ter as ferramentas certas para conseguir fazer face às despesas inesperadas.

Segundo o 4º Inquérito à Literacia Financeira da População Portuguesa, de 2023, cerca de 30% dos inquiridos não consegue pagar uma despesa inesperada de valor equivalente ao rendimento mensal. Das medidas preventivas às soluções para quando não existe uma almofada financeira, saiba como pode evitar ser surpreendido por mais gastos do que estava à espera. 

Criar um orçamento para controlar despesas

Manter as finanças pessoais e familiares estáveis é importante para conseguir lidar com imprevistos no futuro. Por este motivo, deve saber ao certo quais são os seus rendimentos e onde está a gastar o dinheiro. Os orçamentos são uma forma eficaz de controlar as finanças.

De acordo com o Plano Nacional de Formação Financeira “Todos Contam”, o orçamento deve ser anual, já que além das despesas do mês – como água, luz, educação, créditos ou alimentação -, também devem ser considerados os gastos irregulares, que acontecem uma vez por ano, como seguros e impostos.

Depois de categorizadas todas as despesas, deve analisá-las para perceber quais são estritamente necessárias e de quais é que pode abdicar. Reveja os seus contratos de eletricidade, gás ou televisão e reúna várias propostas junto de outros fornecedores, para perceber quem lhe oferece as condições mais vantajosas. Não se esqueça, ainda, de incluir no orçamento uma percentagem para poupança. 

Ter um fundo de emergência

Nunca se sabe quando é que uma despesa não programada pode aparecer. Por isso, qualquer que seja a sua situação financeira, é importante ter um “pé-de-meia” para gastos inesperados.

Segundo o “Todos Contam”, pode planear o seu fundo de emergência de duas formas. Pode considerá-lo uma despesa fixa, para a qual tem de definir o valor que vai pôr de lado todos os meses. Ou então, pode poupar mensalmente uma percentagem – 10% ou 20% – do seu rendimento. Neste caso, o valor da poupança mensal pode variar.

O fundo de emergência deve ser utilizado apenas nas situações mais urgentes e não deve ser visto como uma poupança para pagar impostos, despesas não essenciais, férias, ou compras de última hora, por exemplo.

Contratar seguros

Para se precaver contra despesas imprevistas, pode ser útil fazer um investimento em seguros. Estes são uma mais-valia sempre que aparece uma situação inesperada, já que ajudam a baixar algumas despesas que, de outra forma, poderiam ser bastante elevadas.

Leia mais  Poupar ou investir, qual a melhor opção?

Um seguro de saúde, de vida ou até para os animais de estimação pode trazer-lhe muitas vantagens caso se depare com um imprevisto. O importante é que analise bem todas as opções no mercado para escolher o que melhor se adequa às suas necessidades. Deve estar atento às coberturas e perceber se existem situações que já estão cobertas por outro seguro. Por exemplo, o seguro multirriscos, que é obrigatório sempre que se faz um crédito à habitação, cobre frequentemente avarias e reparações em casa. 

Pedir um empréstimo

Quando não é possível ter uma almofada financeira para fazer face a despesas inesperadas, pedir um empréstimo pode ser a solução. Existem várias formas de o fazer, cada uma com os seus riscos e vantagens, por isso deve analisá-las muito bem antes de avançar para esta opção.

Empréstimos particulares

Este tipo de financiamento é concedido por indivíduos ou instituições financeiras que não são reguladas nem autorizadas pelo Banco de Portugal. Apesar de ser um processo simples e rápido, é também bastante mais arriscado do que um crédito convencional. Neste tipo de empréstimo não existe uma regulamentação que proteja ambos os lados, por isso, quem concede o crédito pode estabelecer as condições que quiser. As taxas de juro aplicadas, por exemplo, podem ser muito superiores às definidas legalmente pelo Banco de Portugal. Além disso, quem recorre a este tipo de empréstimo está mais sujeito a burlas.

Pedir dinheiro emprestado a amigos ou família

Outra opção pode ser pedir algum dinheiro emprestado a familiares ou amigos. Neste tipo de situação também deve ter alguns cuidados, já que, tal como nos empréstimos particulares, também não existe regulamentação que o proteja. Se optar por esta via, é importante definir de imediato um plano de pagamentos para saldar a dívida e equilibrar as suas finanças o quanto antes. 

Crédito pessoal

Uma alternativa mais segura aos empréstimos particulares são os créditos pessoais, que podem ser utilizados no pagamento de gastos imprevistos, dando-lhe flexibilidade para equilibrar as suas contas. O Crédito Pessoal Despesas da Cofidis não tem comissão de abertura e oferece prazos, taxas e prestações fixas. Faça aqui a sua simulação. Independentemente da sua situação financeira, é importante precaver-se para poder fazer face a despesas inesperadas. Seja com medidas preventivas, seja com opções de financiamento, existem sempre soluções para lidar com imprevistos sem desequilibrar o orçamento familiar.

simulador crédito pessoal

O que achou?