Investimentos

O que precisa de saber sobre ETF

5 min
O que precisa de saber sobre ETF

Comprar ETF é a forma mais simples e rápida de deter uma carteira de ativos financeiros. Se anda a pensar em investir algum dinheiro e não sabe nada sobre este tema, as próximas linhas vão esclarecê-lo.

Os ETFs surgiram no fim da década de 80 nos EUA. Atualmente são uma das maiores classes de ativos da indústria de investimentos mundial.

Muitos investidores por todo o mundo – e Portugal não é exceção – têm optado por destinar parte das suas poupanças para o investimento em ETF, como uma alternativa aos fundos tradicionais.

Antes de entender como funciona o ETF, assista a este vídeo com o especialista em finanças pessoais Sérgio Rodrigues e conheça diferentes formas de investir o seu dinheiro.

Sérgio Rodrigues, especialista em finanças pessoais, fala-lhe sobre formas de investimento, entre as quais o ETF.

O que é um ETF?

ETF significa Exchange Trade Fund. O ETF é um fundo de investimento negociado em bolsa de valores que reflete a performance financeira de um conjunto pré-determinado de ativos. Noutras palavras, apesar de serem um ativo específico, os ETFs representam uma espécie de “pacote” de ativos.

Um único fundo ou ETF inclui um leque variado de ações e obrigações, de vários mercados, nacionais e internacionais, ou de setores específicos. Esta diversificação reduz o risco.

Ao investir num ETF estou a investir em quê?

Ao investir neste produto diversificado, pode estar a investir em ações, obrigações, commodities, moedas ou ainda numa mistura de ativos.

Quando compram unidades de participação, os investidores estão a adquirir indiretamente uma pequena parte dos ativos detidos pelo ETF. Essa parte adquirida é proporcional ao valor do montante aplicado.

Destacam-se três tipos de ativos:

Ações

São a categoria de ETF mais negociada internacionalmente. Este tipo de EFT replica o comportamento de um índice de ações.

Dentro dos ETF de ações, existem os de distribuição e os de acumulação. A diferença tem a ver com a forma como os dividendos são geridos:

ETF de acumulação: reinveste os dividendos recebidos nos ativos do ETF e não paga aos investidores qualquer montante. Aqui o investidor ganha através da sua valorização (mais-valia). É ideal na perspetiva de investimento de longo prazo.

ETF de distribuição: distribui aos seus investidores dividendos pagos pelas empresas nas quais investe. Neste caso, além das potenciais mais-valias, o investidor recebe periodicamente os dividendos pagos pelas empresas. É ideal para quem quer ter um tipo de rendimento mais regular.

Obrigações

Como o nome indica, seguem índices de obrigações emitidas por empresas, Estados ou outras entidades públicas ou privadas. As obrigações são títulos de dívida e proporcionam um rendimento fixo (o chamado cupão).

Matérias-primas

Também conhecidas comocommodities, seguem a variação de preços das matérias-primas em questão, como é o petróleo, o ouro ou a prata, o gás natural, o café ou o açúcar, o cobre, entre outras.

Há vários tipos de ETF e com várias composições, podendo ser constituídos com ativos com pesos iguais ou diferentes.

Como funciona o ETF?

Os ETFs são comprados e vendidos ao longo do dia. O seu preço atualiza constantemente.

É importante entender que o ETF está associado a um índice. É considerado um “investimento passivo”, porque não existe um gestor ativo a tentar que o Fundo tenha uma boa performance. O sistema é automático e faz com que o ETF tenha uma performance semelhante ao índice.

Quais as vantagens de investir em ETF?

A primeira vantagem, para os principiantes, é a facilidade de investimento. Investir em ETF é simples, ao contrário do que acontece com as ações, em que é preciso estudar e ter um certo nível de conhecimento.

Leia mais  O essencial sobre investimentos em criptomoedas

Depois, o baixo custo. As comissões são mais reduzidas, se comparadas com as de outros fundos de investimento.

Por outro lado, a liquidez. Uma vez que os ETFs estão cotados em bolsas, podem ser comprados ou vendidos a qualquer momento, o que lhes confere um elevado nível de liquidez.

A outra principal vantagem é a diversificação, que é um dos princípios fundamentais das boas práticas de investimento. Um ETF replica um índice composto por um conjunto de títulos. É o oposto de “pôr todos os ovos na mesma cesta”, como explicou Sérgio Rodrigues no vídeo acima.

E as desvantagens de investir em ETF?

Como em tudo, não há apenas vantagens. Os aspetos menos positivos do investimento em ETF são, por um lado, o facto do capital e da rentabilidade não serem garantidos, o que implica em certo nível de risco, e também o facto de ser difícil superar o desempenho do mercado em geral, uma vez que estes produtos são geridos de forma passiva.

Investir em ETF em 4 passos

1. O primeiro passo para comprar um ETF

Para aceder aos mercados de valores e negociar ETF, é necessário recorrer a um intermediário financeiro. Para isso, tem de abrir conta num banco ou corretora.

2. Escolher uma bolsa

Uma vez que o mesmo ETF pode aparecer cotado em várias bolsas, tenha em conta estes fatores: veja se o ETF tem liquidez, quais os custos de negociação e se terá encargos com a conversão cambial.

3. Dar uma ordem de compra

O momento em que dá a ordem de compra é semelhante ao que acontece quando compra ações. Há escolhas que tem de fazer. Uma delas é escolher entre as seguintes opções:

“Ao melhor” –  ao dar uma ordem ao mercado, significa que quer comprar no imediato, mesmo que não saiba por quanto vai comprar. Tenha em conta que o preço pode ter subido muito desde a última cotação, a que utilizou como referência.

“Limite de preço” – nesta opção coloca um limite de preço, o que lhe dá a garantia de que não vai gastar mais de X euros. A questão é que corre o risco de que a ordem de compra não seja concretizada, se não houver nada disponível a um valor abaixo do limite que definiu.  

Outra decisão que terá de tomar é se a ordem que está a dar é uma ordem para o dia ou uma ordem contínua, que ficará no sistema à espera de ser executada. Se optar por uma ordem contínua e estabelecer um limite de preço abaixo do preço do mercado, pode ter a sorte de conseguir um ótimo preço.

Uma dica: se quer investir a longo prazo e comprar unidades de um ETF que negoceia muito, dê uma ordem ao mercado. Se for um ETF pouco negociante, opte antes por estabelecer um limite de preço.

4. Quantas unidades do ETF comprar?

A resposta é simples: depende do montante que quer investir. Terá sempre de comprar pelo menos uma unidade do ETF, porque não é possível adquirir frações.

O menor valor que é possível investir depende da cotação, mas costuma variar entre as dezenas e as centenas de euros.

Se investir 2 ou 3 mil euros, por exemplo, tem a vantagem de diluir o valor dos custos de compra. Mas pode investir menos dinheiro, até porque existem corretoras low cost que praticam comissões mais baixas.

Conheça neste artigo mais algumas regras de ouro para investir o seu dinheiro.