Dinheiro

6 mitos financeiros que deve esquecer

3 min

O que fazemos com o nosso dinheiro hoje pode determinar o tipo de vida que teremos no futuro. Saiba que pode melhorar as suas poupanças e investimentos se souber o que é real e o que é mito no mundo financeiro.

1 – Investir é só para ricos.

Ao contrário da crença popular, não precisa de gastar fortunas na bolsa para fazer um investimento que lhe traga lucro. Hoje em dia, com relativamente pouco dinheiro, já pode investir em ativos financeiros como os ETFs, que são conjuntos de ações, ou as criptomoedas.

2 – Um curso superior é garantia de riqueza.

À partida, alguém com qualificações superiores ganhará mais do que uma pessoa sem um curso universitário. Mas a realidade é que um diploma raramente garante salários milionários. A maior parte das pessoas que acumula riqueza não o faz com o seu ordenado, mas sim através de outros investimentos.

3 – A poupança é a melhor forma de garantir estabilidade financeira.

Claro que é importante poupar dinheiro para situações de emergência. Mas as poupanças não são o mais vantajoso: se decidir fazer o seu pé-de-meia em casa ou ir acumulando dinheiro na sua conta à ordem, não ganhará juros nenhuns com isso. Por outro lado, as contas-poupança dos bancos têm, por norma, taxas de juro muito baixas, logo não espere ter um grande retorno. A melhor opção é tentar investir, mesmo que seja pouco dinheiro. E se não sabe muito bem como o fazer, pode sempre contar com a ajuda de conselheiros financeiros.

4 – Um imóvel é um excelente investimento.

Se o seu objetivo é comprar uma casa para arrendar ou, mais tarde, vender, pense duas vezes. De acordo com a Associação Portuguesa de Proprietários (), comprar casa em Portugal para pôr a arrendar pode chegar mesmo a dar prejuízo. Se estiver a pensar vender, tem de contar sempre com a possibilidade de o mercado desvalorizar e, por isso, ter de ser obrigado a vendê-la a um preço inferior ao que tinha pensado, perdendo dinheiro no investimento. Para além disso, não se esqueça que terá de arcar com despesas como o crédito à habitação (se o fizer), o seguro, impostos e comissões bancárias.

5 – É melhor evitar os cartões de crédito.

Sim, é necessário ter algum cuidado com a utilização de cartões de crédito, mas se pagar as suas dívidas pontualmente, não terá nada a recear. Apesar de as taxas de juro serem bastante altas, estas são cobradas apenas sobre os pagamentos em falta. Assim, se não deixar nada em atraso, não terá problemas. Para além disso, pagar com cartões de crédito dá-lhe mais vantagens do que pagar em dinheiro, já que pode usufruir de descontos, cashback e outros benefícios.

6 – Se rendeu no passado, também vai render no futuro.

Este é um dos conceitos mais enganadores e que mais podem prejudicar a sua carteira. O facto de um determinado ativo, como as ações de uma empresa ou um fundo de investimento, terem passado por um período de valorização e nunca terem dado problemas aos investidores, não significa que irá manter sempre essa trajetória. O mercado financeiro é muito volátil e, de um momento para o outro, tudo pode mudar. Informe-se bem sobre as melhores opções para si, seja ponderado, e não corra riscos desnecessários.

Oiça o nosso podcast e desmistifique algumas verdades tidas como absolutas, para que possa investir com um maior conhecimento.