COVID-19

Covid-19: cuidado com estas burlas

4 min
cuidados burlas covid-19

Algumas destas burlas já existiam, outros surgiram com a pandemia, apelando à solidariedade ou ingenuidade das “vítimas”. Veja quais as principais burlas que têm surgido nas últimas semanas e quais os cuidados a ter para se prevenir.

1) E-mail das Finanças

Se recebeu um e-mail do endereço “@portaldasfinancas.gov.pt”, tenha cuidado: é falso. O verdadeiro endereço da Autoridade Tributária (AT) é “@at.gov.pt“. Nos e-mails enviados, os piratas informáticos alegavam ser da AT e informavam o contribuinte que tinha pagamentos em falta. No final do e-mail surgia uma ligação, que reencaminhava para outro site. Segundo uma nota divulgada no site da AT, “estas mensagens são falsas e devem ser ignoradas” porque têm como objetivo “convencer o destinatário a aceder a páginas maliciosas carregando nos links sugeridos”. Como tal, “em caso algum deverá efetuar essa operação”

2) Concessão de crédito

Em alturas de crise, é natural que muitas famílias e empresas estejam à procura de ajuda para resolver as suas necessidades financeiras. Tenha cuidado: não confie em pessoas ou entidades que não conhece. Pode estar a lidar com fraudes. Tome nota destas duas:

  • Se for contactado ou receber um e-mail do endereço [email protected]
  • Interfin, que funciona através do endereço https://interfin.wixsite.com/interfin

Em duas notas divulgadas no site, o Banco de Portugal deixa o aviso: nenhuma destas entidades está habilitada ou tem autorização “para concessão de crédito, intermediação de crédito e prestação de serviços de consultoria relativamente a contratos de crédito”. Consulte as entidades autorizadas diretamente no site do Banco de Portugal ou no Portal do Cliente Bancário. 

3) Pedido de dados pessoais

Se receber uma campanha, por e-mail, SMS ou através das redes sociais, desconfie. Mesmo que pareça real e até utilize a imagem de entidades oficiais como a Organização Mundial de Saúde, a UNICEF, centros de investigação, laboratórios ou outros, o mais provável é ser fraude. Num comunicado conjunto, o Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) e a Polícia Judiciária alertaram para o aumento de phishing, ou seja, ataques que têm como objetivo “apanhar” os dados pessoais das vítimas, direcioná-las para outros sites maliciosos ou contaminar os telemóveis e computadores com vírus. Em caso de dúvida, não coloque os seus dados pessoais, não carregue em links e apague a mensagem.

Leia mais  Dilemas que os casais enfrentam quando um dos elementos ganha mais

4) Informação falsa ou com intuito malicioso

Existem cada vez mais notícias falsas muito semelhantes às verdadeiras e, numa altura de pandemia e crise, todo o cuidado é pouco. Tenha especial cuidado com sites, plataformas ou aplicações para o telemóvel que, supostamente, divulgam informação em tempo real sobre o coronavírus. O CNCS e a PJ fizeram um alerta, em particular, para a aplicação Covid-19 Tracker. Segundo o comunicado das duas entidades, trata-se de “um esquema de ramsomware”, ou seja, quando instala a aplicação, está a permitir a entrada de um software nocivo que vai bloquear o acesso ao seu próprio telemóvel e, para resolver o problema, é-lhe exigido o pagamento de um resgate em criptomoedas. Já sabe, não instale.

5) Pedidos de dinheiro

Seja porta à porta, por e-mail ou redes sociais não dê dinheiro nem ceda os dados dos seus cartões ou MB Way a outra pessoa ou entidade. É justamente por razões de segurança que estes códigos são pessoais e intransmissíveis. Se tiver conhecimento de alguma campanha de crowdfunding, através da Internet, para compra de material médico ou de proteção pessoal, desconfie. O alerta é da CNCS e da PJ.

6) Vacinas ou testes ao covid-19

Quando o tema é a pandemia de coronavírus, confie apenas nas fontes oficiais: Direção-Geral da Saúde (DGS), Serviço Nacional de Saúde (SNS) e Organização Mundial da Saúde (OMS). Se alguém lhe bater à porta a dizer para tomar uma vacina ou fazer um teste, não acredite, mesmo que se identifique como médico ou enfermeiro. É fraude. Os organismos oficiais não estão a desenvolver qualquer campanha neste sentido. O mesmo é válido se receber a mesma informação por SMS. Segundo a PJ, circulou uma mensagem de telemóvel que alegava que todos os portugueses iam ser vacinados, mas teriam de pagar primeiro para depois serem reembolsados pelo Governo. Não acredite. Apague a mensagem, não reenvie e alerte os seus familiares e amigos.

Para além destas burlas identificadas, podem existir outras que ainda não sejam do conhecimento das autoridades. Ative o seu sentido crítico, desconfie de pessoas e entidades que não conhece e não acredite em soluções milagrosas. Proteja-se a si e aos seus.

O que achou?