Poupar

Poupar no combustível. Escolha os postos com os melhores preços

4 min
poupar no combustível

Com os preços dos combustíveis em alta, desvendamos as variáveis do cálculo do preço por litro e onde pode consultar os preços em tempo real.

O tema da subida do preço dos combustíveis está na ordem do dia e interessa entender como são formados os preços e, por outro lado, como poupar.

Com as oscilações constantes do preço dos combustíveis, há quem aponte o dedo aos impostos, às petrolíferas, à Guerra na Ucrânia ou até mesmo à época do ano. Mas afinal, como é calculado o preço final dos combustíveis?

Para começar, importa saber que os preços da gasolina e do gasóleo são atualizados semanalmente em Portugal e seguem as variações da cotação internacional do petróleo. Ainda assim, existem outras componentes que têm bastante peso no preço do combustível e que determinam o seu valor final.

Como se chega ao preço do combustível em Portugal?

1. Cotação internacional

O petróleo é um dos principais componentes do preço de um litro de combustível, sendo que para os mercados europeus, o preço de referência é o do barril de petróleo Brent. Acontece que em Portugal, o preço de referência não é o do petróleo em estado bruto (por refinar), mas sim o preço do combustível já refinado.

Esta particularidade acaba por fazer a diferença, uma vez que a cotação de cada um dos produtos derivados do petróleo, como a gasolina e o gasóleo, muda todos os dias e varia consoante a oferta e a procura.

Outro fator é a cotação do euro face ao dólar, já que as cotações do petróleo refinado são calculadas em dólares. Ora, se o euro desvalorizar, é preciso gastar mais para comprar a mesma quantidade de combustível.

2. Reservas estratégicas, transporte e custos logísticos

Existem ainda reservas de segurança, cujo armazenamento e gestão têm custos que se refletem nos preços dos combustíveis. Estas reservas são controladas pela ENSE (Entidade Nacional para o Setor Energético).

A somar a isto, temos o custo do transporte para território nacional, que, em conjunto com a cotação internacional, corresponde a cerca de 30% do preço final dos combustíveis.

Além disso, também há que ter em conta os custos com ações logísticas de receção e descarga do petróleo bruto ou de produtos derivados do petróleo, bem como com o armazenamento temporário.

3. Incorporação dos biocombustíveis

Por lei, a União Europeia obriga a que o Estado incorpore uma determinada percentagem de biocombustível na gasolina e no gasóleo vendidos. O objetivo é reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, uma vez que o biocombustível tem origem biológica e apresenta baixos índices de emissão de poluentes para a atmosfera, o que acaba por se traduzir no preço cobrado ao consumidor.

Atualmente, os fornecedores de combustíveis estão obrigados a assegurar a incorporação de 11,5% de combustíveis de baixo teor em carbono para transportes, em teor energético, sobre as quantidades de combustíveis rodoviários por si introduzidos no consumo. Contudo, não nos podemos esquecer que o preço do biodiesel varia mensalmente e é determinado pelo Estado, o que também vai influenciar as variações do preço a pagar pelos consumidores.

4. Impostos: ISP e IVA

Os impostos como o IVA e o ISP são os fatores que mais influenciam o preço final dos combustíveis.

O valor das taxas do ISP (Imposto sobre Produtos Petrolíferos), é aplicado à gasolina e ao gasóleo, mas também a produtos petrolíferos e energéticos, hidrocarbonetos e eletricidade, e é fixado pelo Governo, de acordo com o estado do mercado e os impactos ambientais de cada produto.

No entanto, o que justifica o peso elevado do ISP no preço final, é o facto de não se tratar de um imposto, mas sim de dois. Isto quer dizer que são considerados os valores da contribuição de serviço rodoviário, cuja taxa incide sobre a gasolina, gasóleo rodoviário e o GPL, e da taxa de carbono, que incide sobre as emissões de CO2, a que estão sujeitos alguns produtos petrolíferos e energéticos.

A juntar a isto, acresce o IVA, que é aplicado a todas as variáveis que compõem o preço final, incluindo o ISP. Contas feitas, é fácil concluir que mais de metade do que se paga pelo combustível são impostos.

5. Custos de comercialização e margem comercial

Para as contas finais, também é preciso incluir os custos de comercialização e a margem comercial das gasolineiras. Aqui, estão abrangidos todos os custos relacionados com a distribuição dos combustíveis depois da armazenagem, incluindo o transporte e os custos dos operadores fixos e variáveis e que variam consoante a capacidade de negócio e logística de cada empresa. Neste caso, também é aplicado IVA sobre estes fatores.

Consulte o preço dos combustíveis em tempo real

A Entidade Nacional para o Setor Energético calcula e publica diariamente o preço de referência para os combustíveis em Portugal. Para saber com o que contar, pode consultar os valores de referência na plataforma oficial da ENSE em tempo real ou em alternativa, através do seguintes sites: precoscombustiveis.dgeg.gov.pt ou precocombustiveis.pt.

Proteja a sua carteira mantendo-se atualizado e fazendo escolhas inteligentes. Abastecer nos postos que têm valores mais baixos, jogar com os dias em que esses postos fazem descontos ou utilizar vales de desconto são gestos que permitem uma poupança significativa ao fim do mês, sobretudo para quem utiliza o automóvel diariamente.  

Como poupar combustível durante a condução?

Existem truques realmente eficazes para poupar combustível, como abastecer o carro pela manhã e nunca deixar o depósito abaixo de metade. Outras das estratégias passam por reduzir o consumo durante a condução. Descubra tudo neste artigo do Contas Connosco.

O que achou deste artigo?