Poupar

7 mitos sobre poupança

4 min
mitos sobre poupança

Com a instabilidade da economia, poupar é um tema recorrente no dia-a-dia dos portugueses. Mas será que tudo o que se diz está correto? Desvendamos alguns dos erros mais comuns em matéria de poupança, que podem estar a impedi-lo de alcançar os seus objetivos financeiros.

Muitas vezes tomamos como certas crenças antigas e dicas que nos chegam diariamente sobre gestos de poupança. Sem nos questionarmos, pomos em prática esse truque que o vizinho nos contou ou que a avó fazia sempre. Mas e se esses conselhos para poupar afinal estiverem errados e nos levarem a gastar ainda mais?

Neste artigo, o Contas Connosco revela alguns dos mitos mais comuns sobre poupança, para que reveja os seus hábitos e comece a economizar verdadeiramente, sobretudo numa fase em que todos os cêntimos contam.

1. Aparelhos em standby não consomem energia

Deixar os aparelhos em standby é o mesmo que desligá-los? Não. Deixar os equipamentos elétricos no modo espera é um hábito bastante comum e implica que o aparelho esteja a receber uma quantidade de energia para que possa ser acionado a qualquer momento. O ideal é que, sempre que possível, desligue da tomada os equipamentos que costuma deixar em standby.

2. Conduzir em ponto morto poupa combustível

Conduzir em ponto morto é uma estratégia muito utilizada pelos condutores, sobretudo em descidas. Mas não é obrigatoriamente sinónimo de poupar. Em carros modernos com injeção eletrónica, poupa mais combustível com a mudança engrenada.

3. Aproveitar as promoções para comprar grandes quantidades

Estar atento aos descontos e promoções é uma boa forma de poupar, mas apenas quando compra com consciência. Compre apenas o que precisa e não caia no erro de trazer mais embalagens só porque a promoção compensa. Comprar em quantidade pode representar um gasto superior se na prática não usar os produtos que leva a mais. A regra aplica-se aos alimentos. Não compre comida a mais só porque está em promoção. Corre o risco de se estragar ou passar de prazo, dando lugar a desperdício alimentar e a gastos desnecessários.

4. Desligar as luzes para poupar eletricidade

Este é um dos mitos mais antigos e que se mantém com o passar dos anos. Crescemos a ouvir os nossos pais e avós a pedirem para apagarmos as luzes e continuamos a fazê-lo mesmo depois de adultos. Mas será que é o mais correto? Não. Ligar e desligar as luzes pode sair mais caro, sobretudo se utilizar LED’s ou lâmpadas economizadoras. Saiba que, se sair de uma divisão da casa por menos de 15 minutos, não vale a pena apagar a luz, já que a energia que gasta ao acendê-la novamente é superior ao consumo que terá se a deixar ligada.

Leia mais  Descubra como poupar na escritura da casa

5. Deixar as poupanças no banco é bom para poupar

É certamente um dos lugares mais seguros para ter o seu dinheiro. Mas será que é a melhor opção? Nas alturas em que as taxas de juro estão baixas, é pouco rentável manter as poupanças no banco, sobretudo se for numa conta à ordem, onde o seu dinheiro rende zero. A solução passa por investir, de forma a rentabilizar as suas poupanças. Mas atenção aos produtos em que investe. Informe-se bem, escolha as opções mais vantajosas e não corra riscos.

6. Sai mais caro usar a máquina de lavar loiça

Este é um dos mitos que gera mais controvérsia, já que há quem acredite que a máquina de lavar loiça, por lavar com água quente, consome mais energia em comparação com a lavagem à mão.

Estes aparelhos foram criados para serem eficientes em termos energéticos. E, se utilizados corretamente, podem levar a uma poupança significativa. Isto é, se a máquina estiver completamente cheia, rentabilizando o espaço, e se selecionar um programa económico, vai estar a consumir menos água e energia. Além disso, uma máquina de lavar loiça gasta aproximadamente 10 litros de água, enquanto que numa lavagem manual a quantidade de água utilizada pode duplicar.

Também pode optar por contratar uma tarifa de discriminação horária e programar a máquina para que funcione durante as horas de menor consumo energético.

7. Marcar voos através de sites de viagens sai mais barato

Pode achar que os sites que dispõem de informação generalizada sobre preços de voos e hotéis são a melhor solução para as suas viagens. Mas raramente é assim. Estes sites também têm de ter a sua margem de lucro e por isso cobram as suas próprias taxas. Na maioria das vezes, se consultar diretamente os sites das companhias aéreas ou hotéis, consegue valores mais atrativos e mais interessantes para a sua carteira e pode ter acesso a campanhas especiais.

Por exemplo, se procura um voo, o preço que vai ver num agregador de pesquisas pode ser mais baixo, mas na altura do pagamento será provavelmente surpreendido com um valor superior, após serem adicionadas as taxas de reserva e os custos adicionais para marcar lugares, levar bagagem de porão ou contratar um seguro.  

Resumindo, não vá em cantigas e questione-se sempre relativamente a hábitos que podem estar a fazê-lo gastar dinheiro sem necessidade.