Investimentos

Wallets para criptomoedas

5 min

As carteiras para criptomoedas são uma tendência, mas é um tema que ainda levanta dúvidas. Simplificamos esta temática e explicamos como funcionam as wallets, para que possa usá-las para guardar e manter em segurança os seus criptoativos.

As criptomoedas são um tipo de investimento que chama cada vez mais a atenção. Como em tudo o que envolve o mundo digital, é essencial ter cuidados de segurança redobrados para evitar correr riscos. E a melhor forma de o fazer, neste caso, é dominar tudo o que envolve a forma como são geridas as criptomoedas.  

Arranjar uma forma segura de manter os seus fundos é um dos pontos essenciais. Um dos melhores métodos são as wallets para criptomoedas, que, assim como as carteiras físicas, armazenam o seu dinheiro digitalmente.

O que são wallets para criptomoedas?

Da mesma forma que o nosso dinheiro físico é guardado em carteiras, cartões de débito ou e-wallets, no universo das moedas digitais funciona da mesma maneira. As carteiras para criptomoedas, conhecidas como wallets, são plataformas de armazenamento onde pode guardar Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), Litecoin (LTC) ou qualquer outro criptoativo e mantê-lo em segurança. Na prática, as wallets são muito semelhantes a contas bancárias. A grande diferença é que quem está responsável pela gestão e segurança do dinheiro é o próprio detentor das moedas e não a entidade bancária.

As carteiras de criptomoedas permitem que os usuários vendam, armazenem, negoceiem ou enviem moedas digitais sem precisar de intermediários, já que estes movimentos não dependem de um banco central, mas sim de um sistema eletrónico de validação, como o blockchain

Como funcionam as Wallets para criptomoedas?

Depois de criar uma wallet para criptomoedas, é automaticamente gerada uma “seed”, ou seja, uma sequência de 12 a 24 palavras (em inglês) e que funciona como uma senha de recuperação de sistema.

Após a criação dessa senha, que deve manter em segredo, a wallet gera um par de chaves – uma pública e uma privada – e um endereço.  

A chave privada funciona como a senha da sua conta bancária. A chave pública, funciona como a própria conta. É na chave pública que ficam guardadas todas as suas criptomoedas, e como é pública, toda a gente pode ver, mas ninguém consegue movimentar os seus fundos. Qualquer movimento só é possível com a chave privada.

O endereço funciona, basicamente, como o número da sua conta e serve para realizar transações ou outras operações, tal como acontece como uma conta bancária tradicional. Este endereço eletrónico aparece através de uma extensa sequência de números, muito semelhante à sua chave privada. Apesar dos endereços parecerem complexos, não precisa de se preocupar. Pode guardá-los e partilhá-los facilmente, através de um QR Code, que pode criar na sua carteira.

Que tipos de wallets existem?

Existem vários tipos de carteiras para criptomoedas, com formatos diferentes e que podem ser divididos em duas modalidades: as hot wallets (carteiras quentes), e que são carteiras virtuais, e as cold wallets (carteiras frias), que são carteiras físicas.

Hot Wallets

As hot wallets estão ligadas à internet e estão sempre disponíveis. No entanto, são mais vulneráveis a ataques informáticos. Para utilizá-las, basta introduzir o seu nome de utilizador e a respetiva senha.

Existem versões para o telemóvel, para o computador e para a internet.

  • As carteiras para o telemóvel, podem ser descarregadas através do Google Play ou da Apple Store e são mais práticas para situações do dia-a-dia, como, por exemplo, para pequenas compras e pagamentos.
  • As wallets para o computador podem ser descarregadas e instaladas no próprio dispositivo. Neste caso, as informações do utilizador ficam guardadas no computador e não na internet, como acontece com as restantes. Regra geral, são mais seguras que as carteiras para o telemóvel e para a internet, mas é preciso ter cuidado com eventuais vírus, para não comprometer os seus fundos.
  • Para utilizar carteiras quentes para a internet, basta aceder pelo próprio navegador. Para isso, só tem de entrar na página da wallet e fazer login com os seus dados de acesso para movimentar as suas criptomoedas. É um formato prático, à semelhança das carteiras para o telemóvel. Ainda assim, são vulneráveis a ataques, uma vez que estão sempre ligadas à internet.
Leia mais  Como lidar com despesas inesperadas

Cold Wallets

As carteiras frias não podem ser utilizadas a qualquer momento, porque não têm ligação à internet. São aparelhos físicos, geralmente parecidos com pen drives, mas com alta tecnologia de criptografia de dados.

Existem dois tipos principais de cold wallets: as hardware wallets e as paper wallets.

As hardware wallets são basicamente dispositivos físicos onde pode armazenar as suas criptomoedas. Costumam ser pequenas e muito idênticas a pen drives. É uma alternativa mais segura para quem usa criptomoedas, uma vez que não tem qualquer ligação à internet. No entanto, é menos prática, sobretudo para quem precisa de a utilizar em situações do dia-a-dia.

Uma paper wallet é basicamente um papel impresso, com as chaves pública e privada. Pode ser mais segura que as hot wallets, por ser física. Ainda assim, também representa riscos. Por exemplo, o computador pode ter vírus e comprometer a carteira no momento da criação, ou o papel pode perder a tinta com o tempo.

Que tipo de wallet escolher?

Cada modalidade e formato tem as suas vantagens e desvantagens. Para escolher um tipo de carteira, deve fazer uma análise consoante aquilo que lhe é mais conveniente. Há vários fatores a considerar. Por exemplo, se precisar de utilizar as criptomoedas no dia-a-dia, deve optar pelas hot wallets para telemóvel, ainda que a grande desvantagem resida no facto de ser mais fácil de hackear.

Se o objetivo for investir em criptomoedas a longo prazo e guardar grandes quantias, talvez seja melhor utilizar uma cold wallet. A grande desvantagem deste formato é serem menos práticas, pelo que não são indicadas para transações rápidas ou regulares, uma vez que implicam passos adicionais para realizar as transações.

Que wallet escolher?

Para escolher uma carteira de criptomoeda, faça antes uma boa pesquisa e tenha em conta os seguintes aspetos:

  • entre no site de cada carteira e analise quais as medidas de segurança oferecidas;
  • perceba se aquela carteira dá para várias criptomoedas, sobretudo se pretende investir em diferentes tipos de ativos;
  • investigue a reputação de cada carteira em redes sociais e sites de notícias, procure por reviews e fale com outros usuários.

As grandes vantagens das wallets para criptomoedas

Uma carteira de criptomoedas é a melhor forma de manter controle direto sobre as criptomoedas, acedendo às mesmas quando quiser e eliminando por completo os intermediários.

O que achou?