Trabalho e carreira

Dez ideias para tornar o seu negócio mais sustentável

5 min

Está nas mãos de todos nós dar um contributo para a sustentabilidade do planeta, o que passa necessariamente por ajudar a combater as alterações climáticas em tudo o que fazemos, repensando a forma como o fazemos e adotando novas práticas. Felizmente, são cada vez mais as pessoas com consciência ambiental e a sustentabilidade vai ganhando importância crescente na hora de se decidir comprar algo. Isto mesmo concluiu a consultora Deloitte, através de um estudo realizado em março de 2021, segundo o qual 32% dos consumidores inquiridos estavam profundamente envolvidos na adoção de um estilo de vida mais sustentável e 28% tinham mesmo deixado de comprar certos produtos devido a questões éticas ou ambientais.

Mais relevante ainda é o facto de a geração Z – correspondente aos jovens nascidos entre 1995 e 2010 – estar a adotar comportamentos sustentáveis com mais empenho que qualquer outra. Por exemplo, 50% dizem ter reduzido os seus ímpetos consumistas e 45% deixaram de comprar produtos de determinadas marcas devido a questões relacionadas com a ética e o impacto ambiental. Daqui se percebe que à medida que o poder de compra vai sendo transferido para as gerações mais jovens, a sustentabilidade e as considerações éticas vão-se tornando determinantes, havendo necessidade de transparência sobre estes temas ao longo de toda a cadeia de valor.

Para ir ao encontro deste interesse, as empresas estão a trilhar caminhos cada vez mais verdes, adotando práticas ecológicas e colocando à disposição dos consumidores produtos com um impacto positivo não só no ambiente, mas também na comunidade. O resultado é vantajoso para todas as partes, até porque um terço dos consumidores diz-se disposto a pagar mais, desde que em causa estejam produtos sustentáveis, segundo as conclusões do The Global Sustainability Study 2021.

Se está a pensar criar uma empresa, ou se já possui uma, veja aqui como torná-la mais amiga do ambiente.

Poupe energia em todas as divisões do escritório ou armazém

Faça uma revisão da forma como usa a energia e altere procedimentos. Por exemplo, isole as portas e janelas, posicione as secretárias de forma a usar o máximo de luz solar possível (para iluminação e aquecimento), opte por lâmpadas de baixo consumo, recorra a dispositivos de poupança energética, como reguladores de temperatura, temporizadores e sensores de presença e instale fontes renováveis de geração de energia. E não se esqueça de desligar na tomada os computadores, impressoras e outros aparelhos, já que o modo standby contribui para aumentar a fatura da eletricidade.

Gota a gota é possível poupar litros de água

Evite desperdiçar água, colocando redutores de caudal nas torneiras ou ponderando a substituição destas por torneiras com sensores; reduza as cargas do autoclismo (basta colocar uma garrafa de água cheia no depósito para diminuir a capacidade), e detete eventuais fugas, reparando-as de imediato. Pode ainda aproveitar a água da chuva para regar as plantas do escritório ou lavar os carros de serviço.

Recicle tudo, sempre

Garanta que existem recipientes adequados à reciclagem espalhados pelas instalações da sua empresa, para que não haja desculpas. Por exemplo, coloque um caixote específico para a recolha de papel (cor azul, não se esqueça) ao lado das impressoras, e outro para as embalagens (de cor amarela) na copa ou ao lado da máquina de café. Não se esqueça de fazer a recolha de baterias, pilhas e cartuchos de impressora vazios, sendo que estes últimos pode (aliás, deve) reencher. Sempre que tiver aparelhos elétricos que já não usa, encaminhe-os para instituições onde possam ainda ser úteis ou, se já estiverem avariados e sem hipótese de reparação, deposite-os nos locais próprios para este tipo de resíduos. De acordo com o tipo de negócio que explora, analise os vários tipos de resíduos que resultam da atividade e encaminhe-os de forma adequada. Se tiver dúvidas, contacte a entidade responsável pela reciclagem da sua zona ou a câmara municipal.

Reduza, reutilize, repense e recuse

Além de reciclar, pode ainda contribuir para o ambiente se adotar e implementar na sua empresa as restantes medidas incluídas na chamada política dos 3 R, a saber: reduzir (diminua o consumo), reutilizar (prefira produtos que possam ser reutilizados em vez de descartados), repensar (pondere antes de comprar, decida alterar comportamentos) e recusar (rejeite copos e sacos de plástico, bem como embalagens para comida take-away, optando por levar as próprias, por exemplo).

Menos papel e menos plástico

Implemente a digitalização de processos e reduza a utilização de papel. Evite a impressão de documentos, mas quando tal for mesmo necessário opte por imprimir dos dois lados. Reutilize papel usado para rascunho. Esqueça os cartões de visita em papel, substituindo-os por cartões digitais. Diminua o arquivo físico e opte por guardar todos os documentos de que necessita na nuvem. Da mesma maneira, procure reduzir a utilização de plástico, rejeitando copos descartáveis para o café e para a água, bem como talheres e pratos de plástico na hora das refeições.

Água mais pura

Para poder reduzir eficazmente as embalagens de plástico relacionadas com o consumo de água, que tal oferecer a cada funcionário uma garrafa de vidro?

Procure parceiros verdes: em todas as transações que fizer, desde as compras necessárias para o economato até à aquisição de matérias-primas ou prestadores de serviços que precise de contratar, procure privilegiar parceiros que ponham em prática valores e princípios que promovam a sustentabilidade ambiental.

Reduza as deslocações: sempre que possível, substitua encontros presenciais por reuniões virtuais, como forma de reduzir as emissões de carbono. Da mesma maneira, pondere todas as viagens que pensa fazer (serão mesmo necessárias?) e, se forem imprescindíveis, opte pelo comboio sempre que tal seja viável. Quanto ao transporte de mercadorias, partilhe serviços com outras empresas, de modo a reduzir os custos associados e a pegada de carbono.

Substitua a frota: no momento em que precisar de substituir a frota da sua empresa, equacione optar por veículos com menor emissão de gases com efeito de estufa, nomeadamente, dando primazia aos elétricos.

Apoie a comunidade local: garantir a sustentabilidade passa também por apoiar quem está próximo, o que pode ser feito através da promoção de ações de voluntariado, oferta de estágios para garantir a inclusão, privilegiar parceiros locais, participar em eventos da comunidade e reinvestir aí parte dos lucros.

EcoEconomy 2.0 apoia as PME na transição

A pensar nas pequenas e médias empresas (PME) interessadas na necessária transformação sustentável e digital, a Associação Empresarial de Portugal (AEP) criou o projeto EcoEconomy 4.0, que disponibiliza conhecimento sobre economia circular e descarbonização, procurando estimular as empresas a adotar práticas inovadoras e sustentáveis, com recurso às tecnologias digitais da Indústria 4.0. As principais destinatárias são as PME do Norte, Centro e Alentejo, de todos os sectores de atividade, mas na página do projeto a informação está disponível para todos os interessados.