Dinheiro

Compre agora, pague depois. Vale ou não a pena?

4 min

As modalidades compre agora, pague depois estão cada vez mais na moda. Saiba como funcionam e que cuidados deve ter.

Os modelos de pagamento a prestações têm vindo a atrair cada vez mais consumidores online. De acordo com a European Banking Authority, estes serviços representavam, em 2020, 2% das compras online globais e 7% das compras online na Europa.

Na prática, permitem comprar um produto e dividir o pagamento em parcelas, de forma simples e rápida. Neste artigo explicamos-lhe o que é a modalidade compre agora, pague depois, como funciona o parcelamento e que cuidados deve ter na hora de pagar a prestações.

Como funciona a modalidade compre agora, pague depois?

O Buy Now, Pay Later (BNPL) – ou, em  português, compre agora, pague depois – é uma modalidade de pagamento de produtos a prestações, sem juros. Ao fazer uma compra online ou numa loja física, o consumidor pode selecionar a opção de pagar mais tarde e, aí, terá acesso a um crédito que terá  aprovação praticamente imediata.

Em Portugal, o número de operadores que permitem fracionar o pagamento de compras online tem vindo a crescer, apesar de ainda não ser muito expressivo.

linha de credito mobile

Como funciona o pagamento a prestações?

Além das apps e das parcerias que algumas lojas têm com cartões de crédito, que permitem o pagamento de compras em prestações, já existem empresas a operar especificamente nesta área.

Os prestadores deste tipo de serviços operam, geralmente, através de lojas parceiras às quais cobram uma comissão sobre cada transação. Selecionando a modalidade de pagar mais tarde, a loja recebe de imediato o valor da compra, que é pago pela empresa que presta o serviço BNPL, e o cliente fica responsável por pagar as mensalidades sem juros à operadora. A quantidade de prestações (são, por norma, no mínimo três) depende do valor da compra.

No fundo, o cliente estará a contratar um crédito com a loja que é, depois, comprado pela instituição que oferece o serviço BNPL.

A Cofidis, por exemplo, disponibiliza o serviço Cofidis Pay, que permite pagar até 12 vezes sem juros nos parceiros aderentes.

O que acontece se falhar pagamentos?

Tudo irá depender da política do operador. E por isso  é  importante ler todas as condições antes de aderir ao serviço. No entanto, se falhar uma prestação, geralmente será cobrada uma comissão. O valor que terá de pagar de “multa” irá depender do valor da compra.

Leia mais  Como avaliar se está em risco de sobreendividamento e como o travar

Quais são as vantagens desta modalidade?

A grande vantagem do compre agora, pague depois é que, ao contrário dos cartões de crédito, por exemplo, as mensalidades não têm juros. Assim, pode ser útil recorrer ao pagamento em prestações quando o orçamento familiar é apertado e é preciso fazer face a uma despesa inesperada e de valor elevado.

No entanto, aquilo que esta modalidade tem de vantajoso também pode ser arriscado. Por isso, esteja consciente dos  cuidados que deve ter antes de avançar para o pagamento em prestações.

Quais são os riscos de pagar em prestações?

Não se deve esquecer que, apesar de não serem cobrados juros, esta forma de pagamento não deixa de ser um tipo de crédito.

Como é concedido de forma quase imediata, não é feita praticamente nenhuma análise prévia à capacidade financeira dos clientes para fazerem face às obrigações. Assim, recorrer a esta modalidade de pagamento de forma indiscriminada pode levar ao risco de sobreendividamento.

Além disso, o facto de se ter a facilidade de pagar uma compra mais tarde, pode levar ao aumento das compras por impulso. Sem cuidado e ponderação, esta prática pode afetar os orçamentos familiares.

Que cuidados se deve ter ao pagar em prestações?

Quando utilizada com moderação, a modalidade BNPL pode ser bastante útil. Só precisa de ter algumas precauções:

  • Compre de forma racional: avalie, primeiro, se precisa mesmo de fazer aquela compra naquele momento. Desta forma evita as compras por impulso;
  • Leia sempre os termos e condições do serviço: informe-se sobre as comissões que terá de pagar em caso de incumprimento e perceba se não existe nenhuma taxa “escondida”;
  • Defina alertas para as mensalidades: para que não falhe nenhum pagamento, crie lembretes no telemóvel para saber em que datas tem de pagar as prestações;

Parcelar os pagamentos de um produto pode ser uma solução viável em determinadas situações. No entanto, se pretender recorrer a esta modalidade, não se esqueça, primeiro, de avaliar os potenciais riscos. Determine se será uma boa opção, tendo em conta as suas condições financeiras, e tome todas as precauções necessárias antes de avançar para o pagamento em prestações.

O que achou?